Morre "Jim" Simons, filantropo e pioneiro do investimento quantitativo, nos EUA

Morre "Jim" Simons, filantropo e pioneiro do investimento quantitativo, nos EUA

Jim Simons não apenas se destacou no campo financeiro, com uma fortuna estimada pela Forbes em US$ 31 bilhões 

O renomado investidor bilionário James Simons, conhecido por seu trabalho pioneiro como matemático e decodificador durante a Guerra Fria, faleceu aos 86 anos, conforme divulgado pela sua fundação nesta sexta-feira (10). A causa da morte não foi revelada.

Há cerca de sessenta anos, James, que gostava de ser chamado de Jim, abandonou sua carreira acadêmica em matemática e o trabalho em serviços de inteligência para os Estados Unidos para embarcar no mundo dos investimentos. Ele fundou o Renaissance Technologies, um dos hedge funds mais destacados e rentáveis globalmente. Jim era frequentemente referido como o "Rei do Quantitativo", devido ao seu uso inovador de análises computacionais para tomar decisões de trading.

Jim Simons não apenas se destacou no campo financeiro, com uma fortuna estimada pela Forbes em US$ 31 bilhões, mas também deixou sua marca como um filantropo generoso. Durante sua vida, doou bilhões de dólares para apoiar pesquisas médicas e científicas, educação, e até mesmo campanhas de candidatos democratas.

Clifford Asness, diretor administrativo e fundador da AQR Capital Management, homenageou Simons citando Winston Churchill: "Churchill disse que 'grande e bom raramente são o mesmo homem'. Jim era a exceção que prova a regra."

Como matemático, Simons tinha uma habilidade notável para manipular grandes conjuntos de dados e identificar padrões que orientavam suas decisões de investimento. Em 1978, ele estabeleceu a Renaissance em East Setauket, Nova York, distante dos tradicionais centros financeiros como Wall Street, a 112 km de distância. Lá, ele criou uma nova forma de investir e estabeleceu as bases para o trading quantitativo, uma técnica que foi adotada por diversas empresas nas décadas seguintes.

Em uma conferência em Nova York em 2007, Simons revelou: "Nós contratamos físicos, matemáticos, astrônomos e cientistas da computação e eles tipicamente não sabem nada sobre finanças. Não contratamos de Wall Street."

Sob a liderança de Simons, o fundo Medallion do Renaissance entregou uma média anual de retornos superior a 60% ao longo de três décadas, consolidando-se como um dos hedge funds de maior sucesso no mundo. Jim se aposentou do cargo de CEO em 2010 e deixou a presidência em 2021, mas seu legado no campo das finanças e da filantropia continua a impactar. 

 

Comentários:

Nenhum comentário feito ainda. Seja o primeiro a enviar um comentário
Visitante
Sábado, 20 Julho 2024

Ao aceitar, você acessará um serviço fornecido por terceiros externos a https://www.moneynownews.com.br/

Cron Job Iniciado